domingo, 10 de abril de 2011

Zé do Cavaquinho

Bar Trovador Berrante: certeira morada do espírito boêmio de Zé do Cavaquinho.

Zé do Cavaquinho

Boêmio-maior viçosense (1911-1981).

Autor do chorinho Escorrego do Urubu e das marchinhas Lagartixa e Jacaré Com Tempero; proprietário do bar-boteco Trovador Berrante, endereço boêmio do senador Teotônio Vilela até 1972, quando o menestrel das Alagoas abandonou de forma definitiva seu convívio com as bebidas alcoólicas; pai de quatorze/quinze filhos, todos eles exímios tocadores de cavaquinho e violão; protagonista de dezenas de histórias e estórias, todas elas reveladoras de seu espírito boêmio e irreverente.

Na década de 20, convidado para uma buchada na cidade de Palmeira dos índios, sertão alagoano, para lá migrou com intenção de voltar no dia seguinte. Gostou tanto da buchada e da amizade que travou com o glosador Chico Nunes, que lá permaneceu por quase oito anos.

Quando retornou a Viçosa, os amigos de copo argüíram-lhe acerca do motivo de sua longa ausência:

- Que peste você andou fazendo todo esse tempo em Palmeira, ô Zé?

O boêmio alisava mansamente o ventre, punha seu olhar melancólico sobre os companheiros e após libertar um magistral arroto, concluía:

- Buchada mais da pesada, meninos... buchada mais da pesada...

Certa feita, pleiteando um empréstimo no Banco do Brasil, viu-se argüido pelo gerente acerca de suas ocupações:

- Seu Zé, de que o senhor vive?

E Cavaquinho não titubeou:

- Vivo de olhares e sorrisos.

O gerente, dotado de espírito bem mais prático que poético, negou-lhe prontamente o empréstimo.

Outra vez, beneficiando-se duma carona, viajou até Aracaju para cobrar uma certa quantia que lhe deviam. Lá chegando, encontrou-se de chofre com seu devedor, boêmio como ele, e entraram a beber e a tocar por oito dias seguidos.

De volta a Viçosa, seus amigos de copo reuniram-se no Trovador Berrante para comemorar, com música e aguardente, o seu retorno. Lá pelas três da madrugada, o Zé interrompeu bruscamente a farra.

- Pára, pára, pára com essa zoada.
- Mas Zé, o que é que deu na sua cabeça?
- Na minha cabeça, nada: no meu bolso, deu-se uma desgraça. Pois não é que eu fui até Aracaju para “espremer” um devedor e – lembrei-me agora – passei com ele oito dias, bebi, farreei, toquei e não cobrei a peste da dívida!

A turma fez um ar de tristeza e desolação. O Zé exaltou-se:

- Volta, volta, volta com essa zoada.
E a serenata prolongou-se até às seis da matina.

Conta-se que, certa ocasião, estando Zé do Cavaquinho responsável pelo acompanhamento musical de uma procissão religiosa, o boêmio entrou a tomar umas e outras no Trovador e, chegando a hora, a cabeça do Zé estava mais para bêbada que para lúcida.

E ele não teve dúvida. Ao invés de tocar fúnebres e monótonos hinos sacros, castigou em seu cavaquinho a “Jardineira”. E os fiéis não se fizeram de rogado, acompanhando o boêmio na cantoria:

“Ô jardineira, por que estás tão triste,
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia que caiu do galho,
Deu dois suspiros e depois morreu...”

E adeus procissão, senhor Vigário.

Inúmeras são as histórias que se contam a seu respeito – algumas, reais; outras, produtos da imaginação de seus admiradores. O fato é que Zé do Cavaquinho, boêmio dos mais autênticos e respeitáveis, jamais se importou em dissociar a fantasia da realidade, ou, em outras palavras, a vida sonhada da vida vivida.

Legou-nos três máximas dignas de reflexão:

- Vida é negócio para ser vivido e gozado, nunca filosofado;
- Beber, só com método. Sem método, até água de pote faz mal;
- Se beber, morre. Se não beber, morre. Então vamos morrer bebendo, gentada.

Por Sidney Wanderley

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carregando...
Brasileirão