terça-feira, 21 de junho de 2011

Projeto 100% Nossa Gente em Viçosa 1

Projeto 100% Nossa Gente em Viçosa 1

Prefeitura de Viçosa garante São João mais animado do Vale do Paraíba

A Prefeitura de Viçosa já definiu a programação para o São João 2011, que promete ser um dos mais animados do Vale do Paraíba. De 23 a 25 de junho, a Avenida Firmino Maia será transformada em um grande arraial, com atrações para todos os gostos e muito forró pé de serra.
Concurso de quadrilhas juninas, escolha da Rainha e Rei do Milho, apresentação da Orquestra Sanfônica, Beco do Forró e lançamento de CD de Sanfoneiros da cidade são algumas das atrações que a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo organizou para animar as festas juninas viçosenses.
A programação será aberta na quinta-feira (23), a partir da 18 horas, com a apresentação das quadrilhas Chapéu de Palha, Vai ou não Vai, Beija Flor e Carraspilda e forró pé de serra. Às 20 horas, show da Orquestra Sanfônica e lançamento do CD dos Sanfoneiros de Viçosa. A noite será encerrada com José Orlando, Os Nonatos e Mano Valter.
Na sexta-feira (24) tem apresentação das quadrilhas Saia Rodada, Arrasta Pé, Matutos na Cidade, Brilho da Noite e Tititi, também a partir das 18 horas, e forró pé de serra. J Romido, Belinho, Forrozão das Antigas e banda Desejo de Menina garantem a animação da noite de São João.
O São João 2011 de Viçosa será encerrado no dia 25 (sábado), a partir das 18 horas, com a final do concurso de quadrilhas juninas para a escolha das quatro melhores apresentações, eleição da Rainha e Rei do Milho e mais forró pé de serra. A partir das 20 horas, show de Tito do Gado, Viola, Los Borrachos e Mauricinhos do Forró.

aTube Cather


"Ótimo programa para realizar downloads e conversões de vídeos da maioria dos sites de vídeos existentes"

Análise de Rodrigo Françozo de Lima Moraes

aTube Cather é um bom programa para as pessoas que gostam passar o tempo assistindo seus vídeos favoritos no Youtube ou sites similares. Com esta ferramenta simples mas poderosa, elas poderão guardar estes vídeos em seu computador para serem vistos à qualquer momento, sem a necessidade de estarem conectadas na internet.

Além do site mais conhecido Youtube, a ferramenta também suporta outros tipos de sites como o Stage6, MySpace, Dailymotion, Megavideo, Google Video, Metacafe, iFilm, Yahoo! Video. Quem gosta de algo destinado "para adultos" também podem testar sua eficácia no Pornotube!

Video Aula Completa Sobre Office 2007


Aprenda todas as dicas e macetes dos do Office 2007, tudo muito bem explicado, você vai aprender dicas e macetes de uma maneira simples e direta.
Vídeo-aula Dicas e Macetes sobre:
Word 2007, Access 2007, Publish 2007, Excel 2007, E muito mais.
Ano de Lançamento: 2007, Editora: Editora Europa, Tamanho: 80 MB, Formato: Rar, Idioma: Portugues, Download Rapidshare.

Digimaster + Serial

O Digimaster vem com 52 lições com mais 1200 exercícios. Muito útil para escolas (controla vários alunos). Pode ser utilizado também em casa. O aluno faz o curso praticamente sozinho. O curso de digitação DigiMaster tem como objetivo levar seus alunos a uma digitação rápida e com os dedos corretamente posicionados. Por mais que uma pessoa digite rápido com dois ou mais dedos, porém, com posicionamento incorreto, nunca conseguirá digitar com a agilidade de quem digita com um posicionamento correto e com os dez dedos. Com o DigiMaster o aluno aprederá à digitar sem olhar para o teclado e assim ganhar tempo aumentando a produtividade.


Easy-share Rapidshare

terça-feira, 7 de junho de 2011

TypingMaster Pro v6.30 + Keygen


TypingMaster Pro é um curso de digitação para o computador que ajuda a atingir o nível profissional, evitar erros de digitação e diminuir o stress muscular. Avance no seu próprio ritmo.

Tamanho: 6.6 Mb, Formato: Rar, Idioma: Português

ORIGEM DO ZERO

Embora a grande invenção prática do zero seja atribuída aos hindus, desenvolvimentos parciais ou limitados do conceito de zero são evidentes em vários outros sistemas de numeração pelo menos tão antigos quanto o sistema hindu, se não mais. Porém o efeito real de qualquer um desses passos mais antigos sobre o desenvolvimento pleno do conceito de zero - se é que de fato tiveram algum efeito - não está claro.
entrada-zero-na-klabinsegall
O sistema sexagesimal babilônico usado nos textos matemáticos e astronômicos era essencialmente um sistema posicional, ainda que o conceito de zero não estivesse plenamente desenvolvido. Muitas das tábuas babilônicas indicam apenas um espaço entre grupos de símbolos quando uma potência particular de 60 não era necessária, de maneira que as potências exatas de 60 envolvidas devem ser determinadas, em parte, pelo contexto. Nas tábuas babilônicas mais tardias (aquelas dos últimos três séculos a.C.) usava-se um símbolo para indicar uma potência ausente, mas isto só ocorria no interior de um grupo numérico e não no final. Quando os gregos prosseguiram o desenvolvimento de tabelas astronômicas, escolheram explicitamente o sistema sexagesimal babilônico para expressar suas frações, e não o sistema egípcio de frações unitárias. A subdivisão repetida de uma parte em 60 partes menores precisava que às vezes “nem uma parte” de uma unidade fosse envolvida, de modo que as tabelas de Ptolomeu no Almagesto (c.150 d.C.) incluem o símbolo ou 0 para indicar isto. Bem mais tarde, aproximadamente no ano 500, textos gregos usavam o ômicron, que é a primeira letra palavra grega oudem (“nada”). Anteriormente, o ômicron, restringia a representar o número 70, seu valor no arranjo alfabético regular.
Talvez o uso sistemático mais antigo de um símbolo para zero num sistema de valor relativo se encontre na matemática dos maias das Américas Central e do Sul. O símbolo maia do zero era usado para indicar a ausência de quaisquer unidades das várias ordens do sistema de base vinte modificado. Esse sistema era muito mais usado, provavelmente, para registrar o tempo em calendários do que para propósitos computacionais.
É possível que o mais antigo símbolo hindu para zero tenha sido o ponto negrito, que aparece no manuscrito Bakhshali, cujo conteúdo talvez remonte do século III ou IV d.C., embora alguns historiadores o localize até no século XII. Qualquer associação do pequeno círculo dos hindus, mais comuns, com o símbolo usado pelos gregos seria apenas uma conjectura.
Como a mais antiga forma do símbolo hindu era comumente usado em inscrições e manuscritos para assinalar um espaço em branco, era chamado sunya, significando “lacuna” ou “vazio”. Essa palavra entrou para o árabe como sifr, que significa “vago”. Ela foi transliterada para o latim como zephirum ou zephyrum por volta do ano 1200, mantendo-se seu som mas não seu sentido. Mudanças sucessivas dessas formas, passando inclusive por zeuero, zepiro e cifre, levaram as nossas palavras “cifra” e “zero”. O significado duplo da palavra “cifra” hoje - tanto pode se referir ao símbolo do zero como a qualquer dígito - não ocorria no original hindu.

Fonte. Tópicos de História da Matemática para uso em sala de aula; números e numerais, de Bernard GUNDLACH.

ORIGEM DOS SINAIS

img
Adição ( + ) e subtração ( - )
O emprego regular do sinal + (mais) aparece na Aritmética Comercial de João Widman d'Eger publicada em Leipzig em 1489.
Entretanto, representavam não à adição ou à subtração ou aos números positivos ou negativos, mas aos excessos e aos déficit em problemas de negócio. Os símbolos positivos e negativos vieram somente ter uso geral na Inglaterra depois que foram usados por Robert Recorde em 1557.Os símbolos positivos e negativos foram usados antes de aparecerem na escrita. Por exemplo: foram pintados em tambores para indicar se os tambores estavam cheios ou não.
Os antigos matemáticos gregos, como se observa na obra de Diofanto, limitavam-se a indicar a adição juntapondo as parcelas - sistema que ainda hoje adotamos quando queremos indicar a soma de um número inteiro com uma fração. Como sinal de operação mais usavam os algebristas italianos a letra P, inicial da palavra latina plus.
Multiplicação ( . ) e divisão ( : )
O sinal de X, como que indicamos a multiplicação, é relativamente moderno. O matemático inglês Guilherme Oughtred empregou-o pela primeira vez, no livro Clavis Matematicae publicado em 1631. Ainda nesse mesmo ano, Harriot, para indicar também o produto a efetuar, colocava um ponto entre os fatores. Em 1637, Descartes já se limitava a escrever os fatores justapostos, indicando, desse modo abreviado, um produto qualquer. Na obra de Leibniz escontra-se o sinal ^ para indicar multiplicação: esse mesmo símbolo colocado de modo inverso indicava a divisão.
O ponto foi introduzido como um símbolo para a multiplicação por G. W. Leibniz. Julho em 29, 1698, escreveu em uma carta a John Bernoulli: "eu não gosto de X como um símbolo para a multiplicação, porque é confundida facilmente com x; freqüentemente eu relaciono o produto entre duas quantidades por um ponto . Daí, ao designar a relação uso não um ponto mas dois pontos, que eu uso também para a divisão."
A forma a/b, indicando a divisão de a por b, são atribuídas aos árabes: Oughtred, e, 1631, colocava um ponto entre o dividendo o divisor. A razão entre duas quantidades é indicada pelo sinal :, que apareceu em 1657 numa obra de Oughtred. O sinal ÷, segundo Rouse Ball, resultou de uma combinação de dois sinais existentes - e:
Sinais de relação ( =, < e > )
Robert Recorde, matemático inglês, terá sempre o seu nome apontado na história da Matemática por ter sido o primeiro a empregar o sinal = (igual) para indicar igualdade. No seu primeiro livro, publicado em 1540, Record colocava o símbolo entre duas expressões iguais; o sinal =; constituído por dois pequenos traços paralelos, só apareceu em 1557. Comentam alguns autores que nos manuscritos da Idade Média o sinal = aparece como uma abreviatura da palavra est.
Guilherme Xulander, matemático alemão, indicava a igualdade , em fins do século XVI, por dois pequenos traços paralelos verticais; até então a palavra aequalis aparecia, por extenso, ligando os dois membros da igualdade.
Os sinais > ( maior que ) e < ( menor que ) são devidos a Thomaz Harriot, que muito contribuiu com seus trabalhos para o desenvolvimento da análise algébrica.
Carregando...
Brasileirão