quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Demora na conclusão das obras revolta torcedores do ASA

Em plena disputa do Campeonato Brasileiro da Série B, com grande visibilidade a nível nacional, através da transmissão de jogos por canais a cabo, o ASA tem sofrido com públicos pequenos no Estádio Municipal Coaracy da Mata Fonseca. Muito desse problema se credita ao fato das arquibancadas metálicas, que seriam substituídas por um lance de alvenaria, e estão desativadas.

Diante da situação, a torcida do ASA protesta de várias formas e até deixa de ir ao estádio por conta dos poucos lugares.

O MinutoEsportes fez um balanço da situação e constatou que existe um grande risco do ASA ficar sem esse lance de arquibancada durante o restante da Série B neste ano de 2012.

Em 2010, mais precisamente no dia 14 de dezembro, a prefeitura divulgou que o processo licitatório para construção de um novo lance de arquibancadas de alvenaria, substituindo as metálicas, havia sido concluído e posteriormente iniciadas as obras.

R$ 4 milhões
A obra orçada em cerca de R$4 milhões entre recursos da municipalidade e do Governo Federal visava à construção da arquibancada do lado Leste em concreto armado, de uma escola em tempo integral e de uma Unidade Básica de Saúde. Além disso a nova arquibancada passaria a ter 140 metros de comprimento e trinta degraus, totalizando uma capacidade de quase nove mil lugares, o que ainda não aconteceu.

O tempo passou e a obra não havia saído do papel e perdeu espaço na mídia para as obras do CT do clube, na região da Bananeira, que também não teve avanços. Este ano, alguns serviços foram efetivados, como a construção das bases que iriam sustentar as arquibancadas.

Ainda no Campeonato Alagoano deste ano, as metálicas foram fechadas para que as obras fossem aceleradas. Porém, o prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa (PMDB) explicou que como não era um item obrigatório para a realização das partidas da série B, as obras poderiam acontecer num outro momento.

Impasse
Diante do impasse e do fechamento das arquibancadas, torcedores do ASA protestam diariamente nas redes sociais, já colocaram faixas de protesto nos alambrados e até deixado de ir ao estádio, uma vez que muitos torcedores alegam que não gostam de assistir os jogos atrás dos gols. Por conta do afastamento de torcedores e a impossibilidade de grandes públicos, o ASA tem uma das piores médias de público da competição, com 2.00 torcedores por partida no Municipal.

A reportagem entrou em contato com responsáveis por obras no município. O secretário de viação e obras do município, Moisés Montenegro, alegou que a obra não é de responsabilidade da sua secretaria.

O MinutoEsportes ainda procurou o secretário de esportes de Arapiraca, Cléber Torres, mas não obteve sucesso. No entanto, ficou confirmado que na troca de secretário, o estádio municipal ficou sob responsabilidade do Josenildo Souza, antigo titular desta pasta e atualmente na secretaria de limpeza do município e que administra a praça esportiva.

Em contato como Josenildo Souza, o administrador afirmou que mais informações só podem ser repassados por engenheiros responsáveis pela obra no local. “Esse período de chuva realmente atrasou um pouco as obras. Mas, só o engenheiro responsável pode falar alguma coisa sobre o andamento e previsão de término dessa obra”, afirmou.

Até o prefeito Luciano Barbosa foi questionado sobre a demora nas obras via twitter e afirmou que iria questionar os responsáveis. No entanto, as obras caminham à passos lentos e existe grande possibilidade do ASA seguir sem as arquibancadas maiores até o final da Série B, com um público reduzido e tendo sérios prejuízos financeiros.

Fonte: cadaminuto.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carregando...
Brasileirão